Taxa não ganha de Tempo e a importância de prazos para os objetivos

Faaala Finansfera, beleza?

Este post fala sobre Renda Fixa e algumas elucidações interessantes que vão surgindo com o passar do tempo, estudos e experiência.

A afirmação Taxa não ganha de Tempo é bastante conhecida pelas pessoas com mais tempo e experiência em investimentos, além de ser preconizada com veemência por um cara (amado por uns, odiado por tantos outros) que possui um site/fórum/plataforma bastante conhecido.

O que o famoso médico-investidor e outros tentam mostrar para as pessoas, principalmente os iniciantes, está contida basicamente aqui:montante-juros-composto

Com certeza, você já utilizou esta fórmula, no mínimo na época do colegial: JUROS COMPOSTOS, onde:

  • M = Montante
  • C = Capital inicial
  • i = taxa
  • n = tempo

Em regra, para calcular o montante final, pegamos a taxa (1+i), elevamos ao tempo (n) e multiplicamos pelo capital aportado. Assim, de cara, eu lhe pergunto:

Qual operação matemática possui um crescimento maior? Multiplicação ou a Exponenciação?

Para calcularmos nossos montantes finais, os valores de tempo (N) são sempre positivos (não existe -10 anos!), assim como as taxas que encontramos no mercado são números reais positivos.

Então, consegue perceber que o crescimento numérico de uma potenciação é muito maior que o da multiplicação? O tempo é o fator exponencial. A taxa é o fator multiplicador. Quanto maior o tempo seu capital estiver investido, maior será o fator multiplicador do capital inicial.

Quanto mais tarde pagar Imposto de Renda, melhor

Outro fator que auxilia em um montante final maior, para aplicações que duram mais tempo, é o pagamento do Imposto de Renda. Aqui, ouvimos muito falar na famosa frase:

"Evite girar patrimônio."

Mas o que isso quer dizer?

Se você tem um capital inicial C e deseja aplicá-lo por um prazo de 10 anos (n), o que seria melhor: Aplicá-lo uma única vez a uma taxa pelo período de 10 anos, ou fazer inúmeros reinvestimentos, por exemplo 5 aplicações de 2 anos?

Na segunda opção, você pagaria imposto de renda ao final de cada 2 anos, reaplicando o montante líquido a uma nova taxa disponível na época. No geral, sairia perdendo, pois o pagamento antecipado do imposto diminuiria o capital investido ao longo do prazo.

“Mas NooB, eu posso ter a sorte de, a cada 2 anos, achar taxas muito mais atrativas e fazer com que, no final dos 10 anos, eu tenha uma rentabilidade melhor que uma única aplicação.”

Sim, pode! Mas também pode ter o azar de nunca mais achar taxas como a contratada inicialmente.

Perceba que isto não vai depender de você, é um fator externo que você não poderá controlar. Além do que, esta busca incessante por taxas maiores, investimentos melhores privarão você de viver, curtir a vida! (não seja um escravo das planilhas, cálculos, Home Broker, etc.)

Então devo aplicar tudo em Títulos de Longo Prazo?

Não!

A fórmula acima apenas demonstra matematicamente que o fator tempo é mais interessante que o fator taxa contratada, assim como a explicação de não girar patrimônio, pagando imposto de renda mais cedo, contribui também para um montante maior.

Mas nem tudo na vida é matemática! Somos seres humanos e temos necessidades, objetivos. E lembre-se sempre que para uma boa saúde financeira você deve ter seus objetivos bem definidos de :

  • CP = CURTO PRAZO;
  • MP = MEDIO PRAZO;
  • LP = LONGO PRAZO.

Então, se vc pretende a curto prazo fazer uma viagem, trocar de carro, ou pagar integralmente o colégio de seu filho, não fará aplicações em títulos do Tesouro Direto IPCA+ 2035 ou 2045, correto? Já aportar a cada 2 anos em um CDB diferente com vistas na aposentadoria, pode não ser a melhor alternativa, percebe?

Por mais que as taxas estejam interessantes e o tempo de aplicação seja grande (fazendo jus à matemática), seus objetivos definem o tipo de aplicação e investimento a serem realizados.

Abraços!

Fechamento Mensal Fevereiro 2017 (+4,31%)

Faaaala Finansfera, beleza?

Segundo mês do ano finalizado. Nossa, é impressão minha ou 2017 está voando?  Se bem que, dizem por aê que quando se faz o que gosta, o tempo passa rápido demais, contudo estes dois primeiros meses do ano não fiz nada de diferente e tenho a sensação do tempo passando rápido mesmo assim.

o-tempo-voa
O tempo e suas asas… e sua pressa em passar…

Fevereiro foi um mês cheio, vide os posts neste blog: nenhum! 😦 Tenho neste exato momento 11 rascunhos, mas não consegui publicar ao menos um. Por quê? Meus pensamentos ultimamente são consumidos por um “problema” que com certeza compartilharei em um post futuro. O tema? A velha e conhecida compra/venda de imóvel.

Mas vamos falar do fechamento mensal: O mercado continua subindo a montanha em um ritmo acelerado e o resultado foi um mês de Fevereiro melhor que Janeiro para meu patrimônio.  Continuar lendo

Fechamento Mensal Janeiro 2017 (+3,96%)

Fala Finansfera, beleza?

Primeiro mês de um novo ano! Novas metas, novas estratégias, novos sonhos! Apesar de Janeiro ser um mês culturalmente caro para nós brasileiros (férias, viagens, impostos, material escolar, etc.), o mercado foi bem generoso com uma alta considerável na renda variável!

Mas é aquela coisa da montanha russa: se subirmos até lá no alto, com certeza vamos ter a descida também!

Ah! E este mês também inicio minha participação no Ranking de Rentabilidades organizado pelo Barbarossa e confrades lá no Capitalismus. A ideia (como já existente em outros rankings da finansfera) é conhecer/confraternizar com outros blogueiros (networking) além de aprender e manter a comunidade ativa!

atletismo-pista-largada-2
Foi dada a largada para o Ranking de Rentabilidades no Capitalismus.blogspot.com

Como é um ranking de rentabilidades, vamos ver se minha estratégia de alocação de ativos, além dos papeis escolhidos para a carteira conseguem se sair bem! Como sou exposto muito pouco em RV com certeza minhas rentabilidades serão razoáveis.

Mas vamos lá falar de investimentos?

ba229cb38222ebb2ab4de0f47ba020c3

Crescimento patrimonial de +3,96%, com rentabilidade de janeiro em +1,88% .

Minha Meta Financeira 03 (MF03) relativa do mês de Janeiro foi alcançada, uma vez que, com a rentabilidade geral alcançada de +1,88% superei o CDI que fechou o mês em 1,08%, fazendo ~ 174% CDI.

2017-jan-rentabilidade-geral-adp

Continuar lendo

A Regra dos 72, planilha do Surfista Calhorda e a importância da disciplina nos aportes

Faaala Finansfera, beleza?

Este mês resolvi dar uma olhada na excelente planilha para gerenciamento de portfólio do Surfista Calhorda (que disponibilizou para download no seu site aqui). Aproveitei e dei uma incrementada na minha planilha que hoje tem um pouco também da planilha do AdP e do Aroldo na tentativa de melhorar minha organização.

A aba de Planejamento da planilha do Surfista é sensacional! Planejar aportes mensais, assim como rentabilidades a serem alcançados ao longo do tempo (10, 20 anos) e ver o patrimônio acumulado torna-se instigante de como boa parte do sucesso só depende de nós. (só não é 100%, pois nem tudo depende de você)

aba_dashboard_new_tool
Lindos gráficos da planilha do Surfista

Mas já já volto para a planilha do Surfista e o porquê citei aqui neste post.

Regra do 72, conhece?

Acho que todos com mais tempo de investimentos conhecem esta famosa regra. Assim como também os matemáticos, contadores e pessoas ligadas à finanças. No geral, ela serve para calcular de uma forma simples e aproximada em quanto tempo, a partir de uma determinada taxa, um valor inicial dobra. De forma análoga, é possível também saber, a partir de um determinado tempo (anos, por exemplo),  qual a taxa necessária para que o valor atinga seu dobro.

É bem simples mesmo! A conta é simplesmente essa:

R x T = 72

onde R é a taxa (rate) e T é o tempo.

Quer um exemplo?

Supondo que você tenha 100 mil de patrimônio, em quanto tempo você chegará nos 200 mil se mantiver uma taxa/rentabilidade anual de 6%?

T = 72/6 = 12 anos

Outro?

Supondo que você tenha 500 mil de patrimônio, que taxa anual preciso alcançar para chegar ao primeiro milhão (dobro) em 5 anos?

R = 72/5 = 14,4% (muito hein? hehehe)

Da mesma forma que podemos usar esta fórmula para o cálculo de aumento de nosso patrimônio, podemos simular a bola de neve de uma dívida no cartão de crédito. Exemplo:

Devo 1.000 reais na fatura de cartão de crédito com uma taxa de juros mensais de 15,12%. Em quanto tempo minha dívida dobraria?

T = 72/15,12 = 4,76 ~ 5 meses (caraca!!!!!)
divida-de-cartao-de-credito-caduca
Usando a Regra dos 72 para ver o estrago de dever no cartão de crédito

Existe muito material na internet sobre o tema e algumas observações, como por exemplo para taxas maiores que 20% a fórmula já não se aproxima tanto do resultado real.

Vale a pena a pesquisa!

Mas qual a conexão entre a Regra dos 72 e a planilha do Surfista?

A principal conexão/reflexão é justamente a importância dos aportes! A disciplina que o investidor tem que ter, mês a mês, ano a ano, em bater suas metas não somente em rentabilidade, mas sim nos aportes.

Um fator tão importante quanto, é o tempo. Tempo é um dos grandes aliados do famoso/lindo/mágico carinha chamado Juros Compostos. Dê tempo para seu dinheiro crescer e ele crescerá!

draw_time-is-money
Nos Juros Compostos: tempo é dinheiro a mais!!!!

Deixar um montante inicial aplicado sob determinada taxa vai fazer seu patrimônio dobrar, quadruplicar de tamanho em anos. Isso ninguém duvida. Mas a dica é perceber que aportes constantes fazem a bola de neve crescer ainda mais!

Até mais!

Carteiras Dividendos Corretoras: Fechamento 2016 – Simulada do NooB tomou um passeio!

Fala Finansfera, beleza?

O período entre o final de um ano e início de outro realmente é diferente! Acabei atrasando a postagem sobre o resultado das carteiras recomendadas de dividendos de dezembro passado.

Mas vamos lá! Vou fechar o ano de 2016 aqui com este post e em um outro abrir o estudo para 2017 com as carteiras de Janeiro.

As rentabilidades das carteiras recomendadas de dividendos para o mês de dezembro das corretoras foram:

Continuar lendo

Primeira compra em FIIs: BPFF11, será que me dei mal?

Faala Finansfera, beleza?

fundos-imobiliarios-620x411

Hoje vim compartilhar a primeira compra que fiz em Fundos de Investimentos Imobiliários, FIIs. Conforme já contei em outras publicações, a adição deste tipo de investimento em minha carteira será uma prioridade em 2017, por alguns motivos como:

  • Estou praticamente na % desejada de alocação de ações: 20%. Assim, deixarei a carteira trabalhar este ano sem aportes. Farei a leitura dos balanços finais de 2016 das empresas, podendo caso necessário, ajustar alguma coisa. Mas creio que não terei problemas;
  • Estipulei uma percentagem de 15% do patrimônio em FIIs. Como o objetivo é ter 65% RF e 35% em RV, faz-se necessário iniciar a carteira neste tipo de investimento;
  • Aumento da Renda Passiva: Meu foco em Renda Variável é, além do crescimento ao longo do tempo, possuir uma renda passiva (o que já busco em ações com empresas pagadoras de dividendos). FIIs, pelas suas características, configuram-se como o tipo de investimento compatível.

Continuar lendo

Atualização Mensal Dezembro 2016 (+0,71%) e Fechamento Anual (+10,39%)

Fala Finansfera, beleza?

Último mês do ano! Mais um mês de rentabilidade negativa na Bolsa de Valores, mas confesso que respirei aliviado, pois pensei que a porrada seria bem maior. Como último mês do ano, acompanhei pouco o mercado, blogs, frequentei pouco a academia além de comer bastante besteira!

Mas vamos lá falar de investimentos?

ba229cb38222ebb2ab4de0f47ba020c3

Crescimento patrimonial de +3,0%, com rentabilidade de dezembro em +0,71% . No acumulado do ano de 2016, rentabilidade de +10,39%.

Aportes

Este mês de dezembro, apesar do aumento de gastos pertinentes às festas natalinas, férias/recesso de final de ano, consegui fazer um aporte de 32,29% das receitas obtidas! Aportes em ações e LCI.

aportes-mensais-2016

Continuar lendo