FIIs: Depois da compra em Fundos de Fundos, desistência de Agências Bancárias, vamos de Multi-Multi-Multi

Faaaala Finansfera, beleza?

Hoje quero falar um pouco mais sobre a saga do NooB (este que vos escreve) no aprendizado em Fundos de Investimento Imobiliários – FIIs.

Primeira compra: Fundos de Fundos

Em Janeiro deste ano fiz a minha primeira compra escolhendo o Fundo de Fundos BPFF11. Para quem está iniciando e não deseja correr tantos altos riscos, considero um caminho interessante estudar os FIIs desta categoria.

O BPFF11, que tem mais de 90% do capital em cotas de outros 20 Fundos, irá mal se o mercado imobiliário, no geral, for mal. Principalmente se os fundos que compõem a maioria de sua carteira andarem ruim das pernas. Cabe ao gestor, um papel ativo para minimizar perdas, fazer uma boa gestão.

bpff11-fev-grafico
75% das receitas do BPFF11 são provenientes dos Fundos em que aplica

Em março, o BPFF11 foi autorizado para emissão de novas cotas (outro pedido foi negado em Janeiro), uma maneira, acredito eu, não muito eficiente de manter padrão de renda do fundo ou evitar prejuízos. Se estou arrependido de ter comprado BPFF11? Não.

Acredito que foi uma boa entrada no mundo imobiliário, pois a diversificação obtida na composição de sua carteira foi de meu agrado. Além do mais, hoje tenho um Preço Médio de R$83 e, com seus proventos na casa dos R$0,67/cota, tenho um retorno de 0,8%. Claro que, com as altas vacâncias imobiliárias, nada é garantido daqui para frente. Continuar lendo

Anúncios

Minha estratégia para minimizar custos com corretoras e bancos

Faaaala Finansfera, beleza?

Esta semana um colega de trabalho que está iniciando no mundo de investimentos veio conversar comigo chateado com os custos que estava tendo com suas operações financeiras em FIIs:

” – Poxa NooB, tenho que aportar mais dinheiro, pois as taxas que pago estão consumindo uma grande percentagem de meus alugueis.”

Aportar mais sempre é bom, contudo preocupei-me que meu amigo poderia até chegar a pensar que investir em FIIs com uma determinada quantia poderia não ser rentável devido aos “prejuízos” que estava tendo com taxas de corretagem, custódias além de transferências bancárias.

Meu amigo vendo seus alugueis reduzirem por causa das taxas operacionais
Meu amigo vendo seus alugueis reduzirem por causa das taxas operacionais

” – Você já pesquisou outras corretoras com taxas mais baixas? Já pensou em fazer uma conta bancária digital?” Perguntei.

Inspirado neste episódio, resolvi contar como me organizo e tento ao máximo reduzir custos com taxas nas operações financeiras. De antemão, deixo claro que não estou orientando ninguém a fazer o que faço, a abrir conta em corretoras que uso e coisas do tipo: é apenas minha opinião e o modo que para mim, atualmente, está funcionando!

Tenha uma conta bancária digital

A primeira grande economia para quem tem uma carteira diversificada em investimentos em várias corretoras é zerar os custos de transferências. Você pode ter em sua cesta de serviços um número de TEDs, DOCs que te satisfaça, mas com certeza você paga uma mensalidade por esta cesta, correto?

Tenho uma conta normal em um grande banco (Caixa) onde recebo meu salário principal que me dá direito a um TED gratuito por mês: insuficiente para transferir dinheiro para 2 ou mais corretoras onde posso investir.

Assim, não resolvi desfazer-me desta conta por comodidade, mas abri uma conta digital no Banco Intermedium, onde tive vantagens como:

  • conta 100% digital e gratuita: sem cesta de serviços e ilimitados TEDs;
  • possibilidade de gerar 10 boletos bancários para depósito de dinheiro na minha conta (bastante legal!!!);
  • banco com produtos interessantes: LCIs, LCAs com excelentes taxas e valores iniciais baixos para correntistas

Assim, todo mês transfiro da Caixa para o Intermedium a quantia para aporte e de lá faço a distribuição para as corretoras onde irei aplicar.

Ações

Estas são um dos motivos que não desfiz de minha conta na CAIXA. Tenho um custo bastante reduzido, como correntista, em operar ações por este banco. Mas aviso aos que não conhecem: HomeBroker da CAIXA é o pior do Brasil!! Um sistema tosco que há tempos atrás nem funcionava e atualmente há dias que tem que ter paciência em utilizar.

” – Mas NooB, pq então vc utiliza?”

Simplesmente pela relação custos X minha estratégia. Vamos lá:

  • Não preciso fazer TEDs para comprar ações. Débito e crédito direto de minha conta corrente;
  • Dividendos e JSCPs direto na conta corrente;
  • Não faço trades! Raramente entro em uma swing trade ou position trade. Abro o HB uma vez por mês, lanço as ordens de compra e pronto!

As ordens pelo HB da Caixa são executadas pelas corretoras Concórdia ou CoinValores que possuem parceria com o banco. Confira os custos operacionais  aqui.

FIIs e ETFs

Escolhi transferir meus ETFs e iniciar o investimento em FIIs através da corretora SOCOPA pelo simples motivo: corretagem ZERO para estes produtos. Taxa de custódia de R$ 10,00, contudo se você executar uma operação que gere corretagem como a compra de ações, não pagará taxa de custódia. Corretagem com valor fixo de R$ 7,00.

Minha estratégia? Através de minha conta digital transfiro dinheiro para a corretora sem custo, compro meus FIIs e ETFs sem corretagem e posso reduzir o custo mensal de R$ 10,00 (custódia) para R$ 7,00 com a compra de um papel de ações escolhida para manter nesta corretora e não mais na Caixa.

Renda Fixa

Essa é mais fácil! Hoje várias corretoras estão isentando taxas de custódia e administrativas para produtos em Renda Fixa. Atualmente invisto no Tesouro Direto pela Easynvest (uma das primeiras a colocar taxa zero) e pego outros produtos (CDBs, LCIs, LCAs) em corretoras/bancos como Daycoval Investe, Intermedium, Sofisa Direto, Rico e a própria Easynvest.

Bem, esta é a estratégia que ando aplicando tentando minimizar custos operacionais.

Abraços!!

 

Analise a Saúde da Instituição Financeira de seus Investimentos

Faaaala Finansfera, beleza?

Para quem curte investir em Renda Fixa, a busca por boas taxas em investimentos desta modalidade é algo corriqueiro. Mostrei em um post anterior, alguns sites em que você pode simular e comparar rentabilidades de diferentes produtos para auxiliar em sua tomada de decisão.

Mas, e quando você encontra aquele CDB com uma taxa super atraente emitida por um Banco XPTO que você não conhece direito? E aquelas LCs emitidas por financeiras? Será que vale a pena?

"Mas NooB, o FGC me cobre em casos de prejuízos até 250k e calotes que eu venha a tomar!"

Correto. Mas, por mais que exista esta entidade que nos forneça uma garantia em tipos de investimentos como a LCI, LCA, LC, CDBs, ninguém quer passar por uma situação de calote/prejuízo e ter que recorrer ao fundo, certo?

Além do mais, é interessante conhecer o emissor dos títulos em que você, investidor, está aplicando seu dinheiro e saber se estão pagando suficientemente bem pelo risco a que seu dinheiro estará exposto! Do mesmo modo,  acompanhar a saúde financeira da corretora onde você investe é muito importante para evitar dores de cabeça no futuro.

BancoData: O Site!

O site http://bancodata.com.br/ ajuda investidores de Renda Fixa a conhecer melhor a saúde financeira de bancos, financeiras, cooperativas de crédito e corretoras de valores que atuam no mercado brasileiro. Possui em seu banco de dados, mais de 1600 instituições financeiras e mais de 15.000 balanços!

bancodata
página com informações de um banco no site bancodata

Várias coisas acho bacana! O visual/layout super clean com uma navegação super intuitiva é bastante agradável além da página de informações de uma instituição financeira super bem feita e com informações atualizadas: balanços, ratings, índices e muitos gráficos para rápida visualização!

A página de Escala de Ratings te dá um overview das instituições financeiras mais bem avaliadas pelas principais agências de classificação de riscos, além do Monitor que exibe as atualizações mais recentes nestas avaliações.

Fica a dica!

Abraços!