Taxa não ganha de Tempo e a importância de prazos para os objetivos

Faaala Finansfera, beleza?

Este post fala sobre Renda Fixa e algumas elucidações interessantes que vão surgindo com o passar do tempo, estudos e experiência.

A afirmação Taxa não ganha de Tempo é bastante conhecida pelas pessoas com mais tempo e experiência em investimentos, além de ser preconizada com veemência por um cara (amado por uns, odiado por tantos outros) que possui um site/fórum/plataforma bastante conhecido.

O que o famoso médico-investidor e outros tentam mostrar para as pessoas, principalmente os iniciantes, está contida basicamente aqui:montante-juros-composto

Com certeza, você já utilizou esta fórmula, no mínimo na época do colegial: JUROS COMPOSTOS, onde:

  • M = Montante
  • C = Capital inicial
  • i = taxa
  • n = tempo

Em regra, para calcular o montante final, pegamos a taxa (1+i), elevamos ao tempo (n) e multiplicamos pelo capital aportado. Assim, de cara, eu lhe pergunto:

Qual operação matemática possui um crescimento maior? Multiplicação ou a Exponenciação?

Para calcularmos nossos montantes finais, os valores de tempo (N) são sempre positivos (não existe -10 anos!), assim como as taxas que encontramos no mercado são números reais positivos.

Então, consegue perceber que o crescimento numérico de uma potenciação é muito maior que o da multiplicação? O tempo é o fator exponencial. A taxa é o fator multiplicador. Quanto maior o tempo seu capital estiver investido, maior será o fator multiplicador do capital inicial.

Quanto mais tarde pagar Imposto de Renda, melhor

Outro fator que auxilia em um montante final maior, para aplicações que duram mais tempo, é o pagamento do Imposto de Renda. Aqui, ouvimos muito falar na famosa frase:

"Evite girar patrimônio."

Mas o que isso quer dizer?

Se você tem um capital inicial C e deseja aplicá-lo por um prazo de 10 anos (n), o que seria melhor: Aplicá-lo uma única vez a uma taxa pelo período de 10 anos, ou fazer inúmeros reinvestimentos, por exemplo 5 aplicações de 2 anos?

Na segunda opção, você pagaria imposto de renda ao final de cada 2 anos, reaplicando o montante líquido a uma nova taxa disponível na época. No geral, sairia perdendo, pois o pagamento antecipado do imposto diminuiria o capital investido ao longo do prazo.

“Mas NooB, eu posso ter a sorte de, a cada 2 anos, achar taxas muito mais atrativas e fazer com que, no final dos 10 anos, eu tenha uma rentabilidade melhor que uma única aplicação.”

Sim, pode! Mas também pode ter o azar de nunca mais achar taxas como a contratada inicialmente.

Perceba que isto não vai depender de você, é um fator externo que você não poderá controlar. Além do que, esta busca incessante por taxas maiores, investimentos melhores privarão você de viver, curtir a vida! (não seja um escravo das planilhas, cálculos, Home Broker, etc.)

Então devo aplicar tudo em Títulos de Longo Prazo?

Não!

A fórmula acima apenas demonstra matematicamente que o fator tempo é mais interessante que o fator taxa contratada, assim como a explicação de não girar patrimônio, pagando imposto de renda mais cedo, contribui também para um montante maior.

Mas nem tudo na vida é matemática! Somos seres humanos e temos necessidades, objetivos. E lembre-se sempre que para uma boa saúde financeira você deve ter seus objetivos bem definidos de :

  • CP = CURTO PRAZO;
  • MP = MEDIO PRAZO;
  • LP = LONGO PRAZO.

Então, se vc pretende a curto prazo fazer uma viagem, trocar de carro, ou pagar integralmente o colégio de seu filho, não fará aplicações em títulos do Tesouro Direto IPCA+ 2035 ou 2045, correto? Já aportar a cada 2 anos em um CDB diferente com vistas na aposentadoria, pode não ser a melhor alternativa, percebe?

Por mais que as taxas estejam interessantes e o tempo de aplicação seja grande (fazendo jus à matemática), seus objetivos definem o tipo de aplicação e investimento a serem realizados.

Abraços!

Anúncios

A Regra dos 72, planilha do Surfista Calhorda e a importância da disciplina nos aportes

Faaala Finansfera, beleza?

Este mês resolvi dar uma olhada na excelente planilha para gerenciamento de portfólio do Surfista Calhorda (que disponibilizou para download no seu site aqui). Aproveitei e dei uma incrementada na minha planilha que hoje tem um pouco também da planilha do AdP e do Aroldo na tentativa de melhorar minha organização.

A aba de Planejamento da planilha do Surfista é sensacional! Planejar aportes mensais, assim como rentabilidades a serem alcançados ao longo do tempo (10, 20 anos) e ver o patrimônio acumulado torna-se instigante de como boa parte do sucesso só depende de nós. (só não é 100%, pois nem tudo depende de você)

aba_dashboard_new_tool
Lindos gráficos da planilha do Surfista

Mas já já volto para a planilha do Surfista e o porquê citei aqui neste post.

Regra do 72, conhece?

Acho que todos com mais tempo de investimentos conhecem esta famosa regra. Assim como também os matemáticos, contadores e pessoas ligadas à finanças. No geral, ela serve para calcular de uma forma simples e aproximada em quanto tempo, a partir de uma determinada taxa, um valor inicial dobra. De forma análoga, é possível também saber, a partir de um determinado tempo (anos, por exemplo),  qual a taxa necessária para que o valor atinga seu dobro.

É bem simples mesmo! A conta é simplesmente essa:

R x T = 72

onde R é a taxa (rate) e T é o tempo.

Quer um exemplo?

Supondo que você tenha 100 mil de patrimônio, em quanto tempo você chegará nos 200 mil se mantiver uma taxa/rentabilidade anual de 6%?

T = 72/6 = 12 anos

Outro?

Supondo que você tenha 500 mil de patrimônio, que taxa anual preciso alcançar para chegar ao primeiro milhão (dobro) em 5 anos?

R = 72/5 = 14,4% (muito hein? hehehe)

Da mesma forma que podemos usar esta fórmula para o cálculo de aumento de nosso patrimônio, podemos simular a bola de neve de uma dívida no cartão de crédito. Exemplo:

Devo 1.000 reais na fatura de cartão de crédito com uma taxa de juros mensais de 15,12%. Em quanto tempo minha dívida dobraria?

T = 72/15,12 = 4,76 ~ 5 meses (caraca!!!!!)
divida-de-cartao-de-credito-caduca
Usando a Regra dos 72 para ver o estrago de dever no cartão de crédito

Existe muito material na internet sobre o tema e algumas observações, como por exemplo para taxas maiores que 20% a fórmula já não se aproxima tanto do resultado real.

Vale a pena a pesquisa!

Mas qual a conexão entre a Regra dos 72 e a planilha do Surfista?

A principal conexão/reflexão é justamente a importância dos aportes! A disciplina que o investidor tem que ter, mês a mês, ano a ano, em bater suas metas não somente em rentabilidade, mas sim nos aportes.

Um fator tão importante quanto, é o tempo. Tempo é um dos grandes aliados do famoso/lindo/mágico carinha chamado Juros Compostos. Dê tempo para seu dinheiro crescer e ele crescerá!

draw_time-is-money
Nos Juros Compostos: tempo é dinheiro a mais!!!!

Deixar um montante inicial aplicado sob determinada taxa vai fazer seu patrimônio dobrar, quadruplicar de tamanho em anos. Isso ninguém duvida. Mas a dica é perceber que aportes constantes fazem a bola de neve crescer ainda mais!

Até mais!

Que venha 2017! Minhas metas para o ano que se aproxima.

Faaaala Finanasfera, beleza?

Mês de Dezembro é correria! Recessos, preparativos para festas de fim de ano, algumas compras (ninguém é de ferro hehehe) e finalização do planejamento para o ano que se aproxima.

Como comecei a blogar há pouco tempo, não tenho um feedback bacana para apresentar  como uma retrospectiva ou uma validação do que foi planejado para o ano corrente. Então, o que me resta é planejar algumas metas para 2017, registrá-las por aqui (firmando um compromisso comigo mesmo) e fazer acontecer!

metas-2017-cc3b3pia1-960x390

Metas Financeiras

Minha primeira meta pra 2017 é:

Manter o aporte mensal equivalente ou superior a 30% das minhas receitas.

Um desafio bacana, pois em 2016 tive como meta um valor igual ou superior a 20% e durante os últimos meses consegui alcançar os 30%. Assim, aumento o desafio de manter o ritmo dos aportes mensais.

Uma outra meta financeira será:

Terminar o ano de 2017 com meus ativos alocados corretamente.

Li o livro Alocação de Ativos do Henrique Carvalho e me identifiquei bastante com a estratégia. Assim, utilizarei o ano para ajustar meus investimentos (com a estratégia de  alocação de ativos que publicarei mais pra frente).

E para finalizar a tríade financeira:

Obter uma rentabilidade bruta em 2017 de, no mínimo, 110% 100% CDI.

Esta será meu grande desafio! Pensei em ser mais conservador e colocar menos que 100% CDI, em virtude de ser um investidor mais exposto em Renda Fixa. Contudo, acredito que com estudo, definição de uma boa estratégia de alocação de ativos e um pouco de sorte (sim, sempre há), possa ser atingível.

Metas de Saúde

Sempre fui uma pessoa ativa, amante (por vezes incondicional) de artes marciais e esportes. Mas com o passar do tempo, as coisas foram perdendo um pouco a graça, a gana. Em 2016 iniciei atividades de musculação por pura preguiça ou falta de criatividade de fazer outras coisas.

Estou curtindo e pretendo continuar em 2017. Assim, fico com 2 grandes metas para o ano:

Manter uma assiduidade mensal >= 80% na Academia

e

Consultar um nutricionista/nutrólogo para melhorar alimentação.

Outras Metas Interessantes

Iniciei em 2016 o estudo de uma nova língua estrangeira, o francês. Assim, firmo como meta:

Fazer 2 semestres de Francês em 2017.

Uma outra meta relacionada ao estudo, mas também prazer, diversão, crescimento pessoal seria:

Ler um mínimo de 12 livros no ano de 2017

E por fim, um pessoal-profissional. Como muitos blogueiros de nossa finansfera, sou formado e trabalho na área de TIC. E como um bom developer que sou, tento por vezes, lançar algum produto digital (site, serviço, aplicativo) que possa ser útil, além de uma forma de monetização.

Hoje tenho um MVP de um SaaS que desenvolvi e que está no ar com algumas centenas de usuário. Este MVP passou todo o ano de 2016 gratuito e não tive receitas ainda. A meta seria algo mais ou menos assim:

Definir e aplicar a estratégia de monetização do serviço ou pivotar logo de uma vez...

Quem sabe, falo mais no futuro deste SaaS.

Bem, desejo um bom final de ano para todos e um início de 2017 de muitas boas vibrações!

Minha estratégia para minimizar custos com corretoras e bancos

Faaaala Finansfera, beleza?

Esta semana um colega de trabalho que está iniciando no mundo de investimentos veio conversar comigo chateado com os custos que estava tendo com suas operações financeiras em FIIs:

” – Poxa NooB, tenho que aportar mais dinheiro, pois as taxas que pago estão consumindo uma grande percentagem de meus alugueis.”

Aportar mais sempre é bom, contudo preocupei-me que meu amigo poderia até chegar a pensar que investir em FIIs com uma determinada quantia poderia não ser rentável devido aos “prejuízos” que estava tendo com taxas de corretagem, custódias além de transferências bancárias.

Meu amigo vendo seus alugueis reduzirem por causa das taxas operacionais
Meu amigo vendo seus alugueis reduzirem por causa das taxas operacionais

” – Você já pesquisou outras corretoras com taxas mais baixas? Já pensou em fazer uma conta bancária digital?” Perguntei.

Inspirado neste episódio, resolvi contar como me organizo e tento ao máximo reduzir custos com taxas nas operações financeiras. De antemão, deixo claro que não estou orientando ninguém a fazer o que faço, a abrir conta em corretoras que uso e coisas do tipo: é apenas minha opinião e o modo que para mim, atualmente, está funcionando!

Tenha uma conta bancária digital

A primeira grande economia para quem tem uma carteira diversificada em investimentos em várias corretoras é zerar os custos de transferências. Você pode ter em sua cesta de serviços um número de TEDs, DOCs que te satisfaça, mas com certeza você paga uma mensalidade por esta cesta, correto?

Tenho uma conta normal em um grande banco (Caixa) onde recebo meu salário principal que me dá direito a um TED gratuito por mês: insuficiente para transferir dinheiro para 2 ou mais corretoras onde posso investir.

Assim, não resolvi desfazer-me desta conta por comodidade, mas abri uma conta digital no Banco Intermedium, onde tive vantagens como:

  • conta 100% digital e gratuita: sem cesta de serviços e ilimitados TEDs;
  • possibilidade de gerar 10 boletos bancários para depósito de dinheiro na minha conta (bastante legal!!!);
  • banco com produtos interessantes: LCIs, LCAs com excelentes taxas e valores iniciais baixos para correntistas

Assim, todo mês transfiro da Caixa para o Intermedium a quantia para aporte e de lá faço a distribuição para as corretoras onde irei aplicar.

Ações

Estas são um dos motivos que não desfiz de minha conta na CAIXA. Tenho um custo bastante reduzido, como correntista, em operar ações por este banco. Mas aviso aos que não conhecem: HomeBroker da CAIXA é o pior do Brasil!! Um sistema tosco que há tempos atrás nem funcionava e atualmente há dias que tem que ter paciência em utilizar.

” – Mas NooB, pq então vc utiliza?”

Simplesmente pela relação custos X minha estratégia. Vamos lá:

  • Não preciso fazer TEDs para comprar ações. Débito e crédito direto de minha conta corrente;
  • Dividendos e JSCPs direto na conta corrente;
  • Não faço trades! Raramente entro em uma swing trade ou position trade. Abro o HB uma vez por mês, lanço as ordens de compra e pronto!

As ordens pelo HB da Caixa são executadas pelas corretoras Concórdia ou CoinValores que possuem parceria com o banco. Confira os custos operacionais  aqui.

FIIs e ETFs

Escolhi transferir meus ETFs e iniciar o investimento em FIIs através da corretora SOCOPA pelo simples motivo: corretagem ZERO para estes produtos. Taxa de custódia de R$ 10,00, contudo se você executar uma operação que gere corretagem como a compra de ações, não pagará taxa de custódia. Corretagem com valor fixo de R$ 7,00.

Minha estratégia? Através de minha conta digital transfiro dinheiro para a corretora sem custo, compro meus FIIs e ETFs sem corretagem e posso reduzir o custo mensal de R$ 10,00 (custódia) para R$ 7,00 com a compra de um papel de ações escolhida para manter nesta corretora e não mais na Caixa.

Renda Fixa

Essa é mais fácil! Hoje várias corretoras estão isentando taxas de custódia e administrativas para produtos em Renda Fixa. Atualmente invisto no Tesouro Direto pela Easynvest (uma das primeiras a colocar taxa zero) e pego outros produtos (CDBs, LCIs, LCAs) em corretoras/bancos como Daycoval Investe, Intermedium, Sofisa Direto, Rico e a própria Easynvest.

Bem, esta é a estratégia que ando aplicando tentando minimizar custos operacionais.

Abraços!!

 

Analise a Saúde da Instituição Financeira de seus Investimentos

Faaaala Finansfera, beleza?

Para quem curte investir em Renda Fixa, a busca por boas taxas em investimentos desta modalidade é algo corriqueiro. Mostrei em um post anterior, alguns sites em que você pode simular e comparar rentabilidades de diferentes produtos para auxiliar em sua tomada de decisão.

Mas, e quando você encontra aquele CDB com uma taxa super atraente emitida por um Banco XPTO que você não conhece direito? E aquelas LCs emitidas por financeiras? Será que vale a pena?

"Mas NooB, o FGC me cobre em casos de prejuízos até 250k e calotes que eu venha a tomar!"

Correto. Mas, por mais que exista esta entidade que nos forneça uma garantia em tipos de investimentos como a LCI, LCA, LC, CDBs, ninguém quer passar por uma situação de calote/prejuízo e ter que recorrer ao fundo, certo?

Além do mais, é interessante conhecer o emissor dos títulos em que você, investidor, está aplicando seu dinheiro e saber se estão pagando suficientemente bem pelo risco a que seu dinheiro estará exposto! Do mesmo modo,  acompanhar a saúde financeira da corretora onde você investe é muito importante para evitar dores de cabeça no futuro.

BancoData: O Site!

O site http://bancodata.com.br/ ajuda investidores de Renda Fixa a conhecer melhor a saúde financeira de bancos, financeiras, cooperativas de crédito e corretoras de valores que atuam no mercado brasileiro. Possui em seu banco de dados, mais de 1600 instituições financeiras e mais de 15.000 balanços!

bancodata
página com informações de um banco no site bancodata

Várias coisas acho bacana! O visual/layout super clean com uma navegação super intuitiva é bastante agradável além da página de informações de uma instituição financeira super bem feita e com informações atualizadas: balanços, ratings, índices e muitos gráficos para rápida visualização!

A página de Escala de Ratings te dá um overview das instituições financeiras mais bem avaliadas pelas principais agências de classificação de riscos, além do Monitor que exibe as atualizações mais recentes nestas avaliações.

Fica a dica!

Abraços!

Preciso mesmo de uma Corretora para investir? O que são PCDAs?

Fala Finansfera, beleza?

O título deste post tem uma pergunta que já fizemos ao menos uma vez na vida, concorda? Também ouvimos sempre quando conversamos com alguém que está iniciando sua descoberta no mundo de investimentos.

Este fim de semana um colega me fez esta pergunta e a resposta foi fácil quando tratou-se de Tesouro Direto, CDBs, LCIs e LCAs. Entretanto, me peguei pensativo quando a resposta foi sobre ações.

Continuar lendo

Carteiras Recomendadas Dividendos: Novembro 2016 (e a simulada do NooB)

Fala Finansfera, beleza?

[UPDATE 09/11/16]
Saiu a Carteira Recomendada da Santander Corretora para Novembro somente hoje. Veja aqui. Ajustarei no fechamento do mês 😀
[/UPDATE]

Vamos para as carteiras recomendadas de novembro que encontrei pela internet! Se você não viu o resultado do mês anterior,  não esquece de verificar a rentabilidade do mês de outubro e o ranking geral.

Planejando 2017

Para o ano de 2017, quando farei este estudo/análise mais a sério, irei escolher apenas as corretoras em que, durante o período de 2016, consegui acesso às carteiras de dividendos recomendadas. Também farei a contabilização do dividend yield na Carteira Simulada do NooB. Estou pensando em simular um determinado valor fixo de aporte mensal para quantificar a rentabilidade e os dividendos recebidos.

Outro ponto interessante a ser observado e levado em consideração: uma carteira focada em dividendos, por default, não deveria haver tantas modificações durante os meses, logo acho válido continuar com a tática de repetir a carteira do mês anterior quando não encontro a recomendada do mês vigente.

Continuar lendo